Digite o nome da matéria que vc quer pesquisar dentro do Blog. Ex:- esmaltes...

Arquivo do SITE.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

FIGURINO DA NOVELA LADO A LADO: Chapéus, rendas e muito luxo.


Chapéus, rendas e muito luxo. Veja os figurinos de Lado a Lado.
As referências africanas e as roupas envelhecidas dão o tom às peças das classes mais pobres.
Patrícia Pillar muda o figurino, para mais uma cena como Constância, ex-baronesa
Na pele de Constância, a grande vilã da história, Patrícia Pillar abusa do luxo nas roupas e acessórios. O acabamentos das roupas é todo feito à mão, com bordados e rendas
"Na pele de Constância, a grande vilã da história, Patrícia Pillar abusa do luxo nas roupas e acessórios. O acabamentos das roupas é todo feito à mão, com bordados e rendas".
Laura (Marjorie Estiano) já é uma mulher moderna, enquanto as outras ainda vivem em rendas
"Laura (Marjorie Estiano) já é uma mulher moderna, enquanto as outras ainda vivem em rendas."
Klebber Toledo, Thiago Fragoso e Daniel Dalcin impecáveis em suas casacas
"Klebber Toledo, Thiago Fragoso e Daniel Dalcin impecáveis em suas casacas".
O espartilho, que compõe o figurino, ajuda a definir a silhueta e a postura das atrizes
"O espartilho, que compõe o figurino, ajuda a definir a silhueta e a postura das atrizes."
Turbantes e colares de contas para as mulheres ainda próximas das origens africanas
"Turbantes e colares de contas para as mulheres ainda próximas das origens africanas."
Os tons sóbrios deixam ainda mais elegantes, Bia Seidl, Patrícia Pillar e Beatriz Segall.
"Os tons sóbrios deixam ainda mais elegantes, Bia Seidl, Patrícia Pillar e Beatriz Segall."
tvg.globo.com/.

Atores gravaram algumas cenas em Petrópolis, em locais como o Palácio Rio Negro
Diretores assistem ao ensaio de Patrícia Pillar, Werner Schunemann, Christiana Guinle, Isabela Garcia, Cássio Gabus Mendes e Bia Seidl
Em 'Lado a Lado', Marjorie e Camila Pitanga vivem mulheres inspiradas em feministas.
Numa época em que a mulher era criada para se casar e ter filhos, ficava em casa bordando e não podia aprender a ler e escrever, elas desafiaram o preconceito, as normas vigentes e foram à luta pelo direito de igualdade com os homens. Com ideias modernas demais para o final do século 19 e início do 20, as brasileiras Nísia Floresta, Chiquinha Gonzaga, Eufrásia Teixeira Leite, Tia Ciata e Júlia Lopes de Almeida fizeram história.
Atriz vive jovem lutadora.
Atriz vive jovem lutadora | Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
“Todas essas mulheres foram inspirações para a gente, contribuíram com as suas trajetórias e o modo como enfrentaram as limitações impostas a elas”, diz Claudia Lage, coautora com João Ximenes Braga de ‘Lado a Lado’, próxima novela das 18h, que estreia dia 10, na Globo.
A luta pelos direitos da mulher é tema do novo folhetim, ambientado no Rio do início do século 20. As protagonistas Laura (Marjorie Estiano), de família de barões do café, e Isabel (Camila Pitanga), filha de um ex-escravo, não se conformam com o único destino reservado a elas: o casamento. A inspiração de Laura é a escritora potiguar Nísia Floresta (1810-1885), considerada a precursora dos ideais feministas no Brasil. Em 15 livros, Nísia defendeu uma educação igualitária entre homens e mulheres, além de ter fundado no Rio um colégio revolucionário para meninas.
“A mulher não estudava nem trabalhava. Só existia para servir o marido e reproduzir. Mas Laura é mais libertária. E, para ela, Nísia é uma grande referência”, conta Marjorie, que aponta a mãe, Marilene, 61 anos, como exemplo. “É muito ativa, criou os irmãos e foi trabalhar. Ela tem características dessas mulheres de que estamos falando. Se formou e agora está abrindo um consultório de psicologia”.
Personagens lutam por seus direitos.
Personagens lutam por seus direitos | Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
O Rio efervescente mostrado na novela também é cenário de outra mulher à frente de seu tempo: a compositora e pianista carioca Chiquinha Gonzaga (1847-1935). Primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil, ela participou da campanha abolicionista e criou a primeira marchinha carnavalesca, ‘Ô Abre Alas’ (1899). Amiga de Nair de Tefé, mulher do presidente Hermes da Fonseca, a maestrina escandalizou a elite e o governo ao tocar um maxixe, considerada uma música vulgar, durante um recital no Palácio do Catete, em 1914.
O surgimento das favelas, a afirmação dos negros e a invenção do samba também são temas de ‘Lado a Lado’. Foi nesse contexto que despontou a baiana Tia Ciata (1854-1924), cozinheira e mãe de santo que chegou ao Rio aos 22 anos e montou seu tabuleiro na Rua Sete de Setembro, no Centro. Além de grande quituteira, ela promovia em sua casa festas dançantes, frequentadas por compositores como Donga, João da Baiana e Sinhô. Numa dessas reuniões nasceu o primeiro samba, ‘Pelo Telefone’ (1916), de Donga e Mauro de Almeida.
“As questões da mulher e do racismo são contemporâneas. A novela é uma oportunidade de olhar para trás e repensar o presente. Mais importante do que mostrar o preconceito é falar da afirmação do negro na sociedade”, diz Camila Pitanga, que na trama vai morar no Morro da Providência, a primeira favela carioca, e sambar. “Na questão da emancipação da mulher, Laura e Isabel defendem a causa mais nas ações do que no discurso. Elas exercem isso no dia a dia. E Isabel trabalha também por uma questão de sobrevivência”, completa Camila.
Outras duas mulheres se destacam no período histórico que a novela abrange: a milionária Eufrásia Teixeira Leite (1850-1930) e a escritora Júlia Lopes de Almeida (1862-1934). No fim do século 19, após a morte dos pais, comerciantes de café em Vassouras, e da irmã, Eufrásia herdou sozinha uma fortuna que lhe garantiu a emancipação econômica numa época em que as mulheres dependiam dos homens. Com talento para os negócios, a sinhazinha, que manteve um longo romance com o diplomata Joaquim Nabuco, multiplicou o patrimônio fazendo vários investimentos. Como não se casou nem teve filhos, ela deixou toda sua riqueza para mendigos da rua onde morou em Paris, entre 1874 e 1928, e instituições da cidade onde nasceu, no Sul Fluminense.

“A luta por liberdade individual vai ser tratada na novela tematizando um conflito bastante contemporâneo: a tentativa de conciliar o amor e o trabalho. Só que, na época, a mulher ainda tinha que conquistar esse espaço como sujeito social”, explica Cláudia Lage.
Romancista e teatróloga, a carioca Júlia Lopes de Almeida expôs em vários artigos de jornais e livros suas ideias favoráveis à República e à abolição na virada do século 19. Mas a marca de sua obra foi principalmente a luta pela educação. Júlia participou das reuniões para a formação da Academia Brasileira de Letras, mas ficou de fora por ser mulher. “Acho que o propósito de discutir o papel da mulher é comparar como era antes e é no presente. Mas, hoje em dia, ainda vejo mulheres com comportamento típico do século 19, que só pensam em se casar, não têm desejo de trabalhar. Não sei se isso é uma opção. Mas acho comodismo não querer se desafiar”, diz Marjorie.POR Paulo Ricardo Moreira




1 comentários:

 
AVISO DE CONDUTA.

¨ALGUMAS IMAGENS EU PEGUEI DA INTERNET SEM AUTORIA. SE ALGUMAS DELAS FOR PROTEGIDA POR DIREITOS AUTORAIS, A VIOLAÇÃO NÃO FOI INTENCIONAL, NESTE CASO, SE NÃO ME FOR AUTORIZADA A EXPOSIÇÃO DA MESMA, A IMAGEM SERÁ RETIRADA DO MEU BLOG, BASTA QUE ENTREM EM CONTATO POR EMAIL¨


VISITANTES INTERNACIONAIS.
Instalado:- 24/04/2010.

Linkwithin

Related Posts with Thumbnails